Voltar
Análise de Agosto de 97

Realidade trai expectativas

Agosto supreendeu com a queda abrupta da procura face a Julho. O índice agregado caiu pela primeira vez para valores negativos. Um cenário que não era prevísivel pelas expectativas das empresas manifestadas em Junho. Confiança para o último trimestre continua em alta.

Maio

Junho

Julho

Agosto

 

11.05

 

 

ê 8.45

 

 

é 8.8

 

 

ê -11.25

 

 

Gráfico índice agregado de procura - TI

Fonte: Gávea/ComputerWorld

Ao contrário do que faria supor o índice agregado de procura do Barómetro Gávea/Computerworld caiu abruptamente para a zona negativa. O valor registado foi de -11.25 pontos contra os 8.8 verificados em Julho. De notar que as expectativas dos gestores para Agosto era de 10,35 pontos positivos. A projecção manifestada em Junho pelos inquiridos sofreu uma variação de quase 20 pontos. De realçar que o índice de Agosto foi o que apresentou menor desvio das respostas significando que os inquiridos não apresentam uma grande dispersão na queda da procura.

A primeira conclusão é que os negócios em carteira e os previstos não concretizaram-se. Uma situação que poderá indicar que o mercado está a comportar-se de forma imprevisível. Contudo a tendência de crescimento mantém-se para o último trimestre. As projecções para Novembro atingem os cerca de 21 pontos no índice agregado. Apesar deste cenário e do forte desvio entre as projecções dos inquiridos e a «realidade» resta aguardar pelas próximas edições para verificar se as discrepâncias continuam. Caso manifeste-se a mesma situação é provável que o mercado crescerá menos do que os objectivos traçados pelos gestores. O contrário poderá indicar que a descida da procura em Agosto foi pontual e sem qualquer significado de maior. Este último cenário será o mais provável já que o mercado de Tecnologias e Sistemas de Informação goza de alguma sazonalidade.

 

Índices SRE

Maio

Junho

Julho

Agosto

Projecção Agosto

Projecção Setembro

Projecção Outubro

Projecção Novembro

Desvio Maio

Desvio Junho

Desvio Julho

Desvio Agosto

Hardware

-1

8

6

-12

9

14

15

11

2,45

1,89

2,27

1.57

Software

25

7

12

-12

11

21

16

30

2,04

1,89

2,34

1.79

Serviços

16

11

10

-9

12

26

16

28

1,23

1,46

1,6

1.73

Agregado

11,05

8,45

8,8

-11.25

10,35

19,1

15,5

20.95

2,02

1,78

2,12

1.67

Fonte: Gávea/ComputerWorld

A procura de hardware caiu para os 12 pontos negativos contra os 6 de Julho. De realçar que as projecções dos inquiridos indicavam que o índice de hardware ficasse nos 6 pontos. Um desvio de 18 pontos. O cenário para o último trimestre aponta para um crescimento da procura mas com os negócios em Novembro a cairem ligeiramente.

Gráfico índice de procura - TI - Hardware

Fonte: Gávea/ComputerWorld

No que diz respeito ao software as projecções indicam um forte crescimento no último trimestre. Em Agosto o índice de procura desceu até aos 12 pontos negativos contra os 12 positivos registados em Julho. A mior queda verificada nos três segmentos. O adiamento de algumas decisões de investimento parece estar na origem conforme adiantaram alguns dos inquiridos à Computerworld, Contudo a confiança parece manter-se até ao final do ano com o software a desempenhar uma boa performance em muito devido ao sector de aplicações corporativas (SAP, Oracle, Baan, etc).

 

Gráfico índice de procura - TI - software

Fonte: Gávea/ComputerWorld

Começa-se a desenhar - apesar das poucas observações existentes - uma correlação forte entre a procura de serviços e de software. As fases de crescimento e de queda são análogas. Um cenário que não é estranho. Se a procura de software é motivada em grande medida pela área aplicacional é normal que o incremento da procura de serviços também se faça sentir. Neste contexto é previsível que no último trimestre os serviços correspondam a uma fatia importante na taxa de variação da procura. Apesar da queda observada em Agosto este foi o sector que menos desceu face a Julho, mesmo assim o valor do índice caiu para a zona negativa. Sem dúvida que Agosto foi um mês para esquecer.

 

Gráfico índice de procura - TI - serviços

Fonte: Gávea/ComputerWorld


Painel de Empresas:

BULL - CISCO - DATA GENERAL - DIGITAL - EPSON - HEWLETT PACKARD - IBM - ICL - INFORMIX - INTERGRAPH - INTERLOG - LUSOCRESA - METHODUS - NOVABASE - OLSY - ORACLE - PRIMAVERA SOFTWARE - PROLÓGICA - RANK XEROX - SAP - SILICON GRAPHICS - SINFIC - SOLSUNI - SOFTWARE AG - SOLBI - SMD - SUN - S3 - SYBASE - TECNOLOGIA INFORMÁTICA - UNISYS - LOTUS


Metodologia

O Barómetro destina-se a medir mensalmente o estado da procura global do mercado. A medição será sobre dados qualitativos e incidirá sobre um painel de empresas.

A construção do Barómetro tem a seguinte metodologia:

  • Inquérito mensal por via postal/fax
  • Perguntas com respostas de opção e fechadas
  • Será utilizado o SRE (saldo de respostas extremas) para cada um dos índices parciais. A fórmula é a seguinte:

SRE = nº respostas «aumentou» - nº respostas «diminuiu»

  • A cada uma das respostas de cada empresa será submetido um ponderador para cada um dos seguintes segmentos: hardware, software e serviços. Os ponderados variam entre 1 e 5 consoante a dimensão da empresa e o seu modelo de negócio.
  • O índice agregado de procura é obtido através da média ponderada de cada um dos indicadores parciais. Possui os seguintes ponderadores:

Hardware: 0.45

Software: 0.30

Serviços: 0.25

Voltar