Voltar
Análise Maio/Agosto de 98

Dinamismo previsto para o último trimestre

Índice agregado de procura

Jan97

Fev97

Mar97

Abr97

Maio97

Junho97

Julho97

Agosto97

Set97

Out97

Nov97

Dez97

nd

nd

nd

nd


11.05

ê
8.45

é
8.8

ê
-11.25

é
24.1

ê
17.95

é
19.4

ê
16.5

Jan98

Fev98

Mar98

Abr98

Maio98

Jun98

Jul98

Ago98

Set98

Out98

Nov98

Dez98

ê
-5.25

é
9.25

é
15.5

ê
10.05

ê
7.1

é
16.9

ê
2.6

ê
- 8.4

O Barómetro Nacional de Tecnologias e Sistemas de Informação Gávea/ComputerWorld registou em Agosto último uma descida generalizada do mercado. O indicador de procura agregada do mercado que indica a procura global registou um valor negativo, -8.4 do SRE (Saldo de Respostas Extremas - diferença ponderada entre o número das empresas que manifestaram uma subida da procura e as que indicaram uma descida da procura). Este valor já era esperado. Os meses de Verão são tradicionalmente de contracção da procura. Em 1997 o comportamento foi semelhante com o valor mínimo a ser atingido no mesmo mês, contudo este ano o valor foi ligeiramente mais elevado o que deixa antever um dinamismo no último trimestre de 1998 superior ao período homólogo de 1997.

Gráfico índice de procura agregada 1998 - 1997

Serviços dominam procura

Esta expansão da procura é manifestada pelos inquiridos. As projecções, calculadas em «baixa», para os últimos meses do ano são realizadas com base nas expectativas dos gestores. O início, em Maio de 1997, da monitorização do mercado pelo Barómetro Gávea/ComputerWorld não permite uma análise total do ano passado mas pode-se inferir que de uma forma qualitativa a procura em 1998 será superior à verificada em 1997. Somente com os dados de Outubro e Novembro será possível realizar uma previsão preliminar da taxa de crescimento do mercado. Isto se as condições macro económicas não sofrerem alterações vulto, principalmente no que diz respeito à anunciada descida das taxas de juro que poderá incrementar o investimento em TI.

Gráfico índice de procura de serviços 1998 - 1997

O segmento com maior responsabilidade no dinamismo da procura é sem dúvida o dos serviços. Com valores, em média, superiores aos restantes segmentos do hardware e software, o comportamento em 1998 da procura foi substancialmente mais elevado do que no ano passado. A prestação de serviços de consultoria , de planeamento e desenvolvimento de Sistemas de Informação foram as áreas responsáveis por esta expansão. E as razões são devidas ao problema do Ano 2000 e do Euro. A maioria das organizações está a aproveitar estas duas contingências para realizarem as devidas alterações quer por mudanças nas suas aplicações quer pela adopção de aplicações de ERP (Enterprise Resource Planing). Um processo que consome recursos humanos, na maioria não disponíveis internamente. O outsourcing tem sido o modelo encontrado pelas organizações para fazer face a estas necessidades.

Gráfico índice de procura de hardware 1998 - 1997

Empresas atrasadas para o Euro

É natural que esta tendência venha a continuar para além do Ano 2000. De acordo com um inquérito efectuado para recolher a opinião dos principais fornecedores de TI sobre as atitudes dos seus clientes face ao Euro, os resultados não deixam margem para dúvidas. Cerca de 68% dos inquiridos acham que as empresas estão sensibilizadas mas até ao momento não tomaram qualquer atitude. Um mercado ainda por desbravar. 18,8% estão já a tomar medidas enquanto os restantes 12,5% nem sequer estão sensibilizados. Um padrão preocupante para as organizações mas excelente para os fornecedores de serviços de TI. Contudo coloca-se neste momento a dúvida se a indústria de TI terá capacidade de resposta para a solução dos dois problemas.

Gráfico de procura de software 1998 - 1997

Nos restantes segmentos observados pelo Barómetro Gávea/ComputerWorld não há alterações de vulto. Tanto no software como no hardware o padrão de comportamento da procura é semelhante nos dois anos, com uma ténue subida verificada em 1998.


Painel de Empresas:

AMDAHL - ANDERSEN CONSULTING - APIE SOFTWARE HOUSE - BAY NETWORKS - BULL PORTUGUESA - CGI - CHS - CISCO - COMPAQ - COMPUTER 2000 - COOPERS & LYBRAND - CPC-IS - DATA GENERAL - DIGITAL - DLI - EDINFOR - EDS - EPSON PORTUGAL - ERNST & YOUNG - EUROCIBER - Group Vison - HEWLETT-PACKARD - IBM - ICL - INFORMIX - INTERGRAPH - INTERLOG INFORMÁTICA SA - JURINFOR - KAPITI - Lotus - LUSOCRESA - METHODUS - MICROGRAF - MICROSOFT PORTUGAL - NOVABASE - NOVELL - OKI SYSTEMS - OLSY - ORACLE - Price Waterhouse - Primavera Software - PROLÓGICA - RANK XEROX - S3 - SAARI - SAP - SAS INSTITUTE - SINFIC - SMD - SOFTWARE AG - SOLBI - SOLSUNI - SUN - SYBASE - TI - UNISYS


Metodologia

O Barómetro destina-se a medir mensalmente o estado da procura global do mercado. A medição será sobre dados qualitativos e incidirá sobre um painel de empresas.

A construção do Barómetro tem a seguinte metodologia:

  • Inquérito mensal por via postal/fax
  • Perguntas com respostas de opção e fechadas
  • Será utilizado o SRE (saldo de respostas extremas) para cada um dos índices parciais. A fórmula é a seguinte:

SRE = nº respostas «aumentou» - nº respostas «diminuiu»

  • A cada uma das respostas de cada empresa será submetido um ponderador para cada um dos seguintes segmentos: hardware, software e serviços. Os ponderados variam entre 1 e 5 consoante a dimensão da empresa e o seu modelo de negócio.
  • O índice agregado de procura é obtido através da média ponderada de cada um dos indicadores parciais. Possui os seguintes ponderadores:

Hardware: 0.45

Software: 0.30

Serviços: 0.25

Voltar