Voltar

Análise Maio de 97

Verão arrefece negócios

Gráfico índice agregado de procura - TI

Fonte: Gávea/ComputerWorld

A procura no mercado nacional de Tecnologias e Sistemas de Informação irá sofrer uma queda, já esperada, em Agosto. Contudo a tendência de descida será ligeira e os negócios manter-se-ão na zona positiva.

De acordo com o Barómetro conjunto da Universidade do Minho e da ComputerWorld o índice agregado do comportamento da procura em Maio face a Abril registou um valor positivo de 11.05 e de acordo com as previsões dos inquiridos o valor será de 10.35 em Agosto. Uma descida de apenas 6,3% no valor do índice qualitativo que congrega o mercado de hardware, software e serviços. No entanto os inquiridos revelam uma menor dispersão de opiniões (valor mais baixo do desvio padrão), em Agosto, quanto à variação da procura (aumentar, manter ou diminuir) o que significa que a previsão dos gestores face aos negócios é mais homogénea do que a verificada em Maio.

  

Índices SRE - Saldo das respostas extremas - ponderados

Maio

Projecção para Agosto

Desvio Maio

Desvio Agosto

Hardware

-1

9

2.45

2.39

Software

25

11

2.04

2.03

Serviços

16

12

1.23

1.18

Agregado

11.05

10.35

2.02

1.97

Fonte: Gávea/ComputerWorld

Hardware: subida esperada

No que diz respeito aos valores parciais dos SRE (saldo das respostas extremas) em cada um dos grandes segmentos do mercado (hardware, software e serviços) que compõe o índice agregado, a área do hardware registou em Maio um valor negativo. Isto significa que existiu um maior número de inquiridos a indicar descida da procura. O desvio deste valor indica claramente que existe alguma dispersão de opiniões quanto ao comportamento da procura em Agosto.

Apesar desta queda os gestores acreditam na recuperação da procura do hardware. Em Agosto o valor projectado é de 9. Uma situação que pode indicar alguma confiança na retoma e na concretização de alguns dos negócios em carteira

Gráfico índices parciais do comportamento da procura

Fonte: Gávea/ComputerWorld

Software e Serviços: descida normal

Tanto o software como o segmento dos serviços registaram uma forte procura em Maio face a Abril com os índices a obterem valores de 25 e 16, respectivamente. A previsão dos gestores para o mês de Agosto é de descida, contudo mantendo-se positivos o que revela que podemos estar perante algum comportamento sazonal da procura.

De realçar que os inquiridos face à procura do segmento de serviços possuem uma opinião mais homogénea do que no software. Até ao momento este índice é o que apresenta uma menor dispersão de valores.

Mercado a crescer e Estado diminui investimento

A nível global, e apesar das oscilações conjunturais provocadas pelo factor da sazonalidade, o mercado apresenta, e prevê-se, índices positivos do comportamento da procura. Um cenário que deixa antever mais um ano de crescimento.

A acreditar na confiança dos gestores o mercado em 1997 terá um crescimento positivo. Resta agora saber a que velocidade. A moderada - abaixo dos dois dígitos - será a mais provável já que outros indicadores de conjuntura macro económica podem condicionar o mercado de TI.

Com a inflação em baixa e controlada - e consequente estabilidade das taxas de juro - a confiança para o investimento aumenta. Contudo alguns sinais podem arrefecer o excesso de optimismo que está a verificar-se na economia.

O Estado, ainda com um peso considerável no mercado de TI, deverá conter o seu investimento de forma a cumprir os critérios de convergência. E os primeiros sinais estão aí. O número de concursos públicos no primeiro semestre baixou consideravelmente e o atraso, mais do que o previsto, nas adjudicações tem sido uma constante.

Um dos indicadores de consumo mais usados - vendas de automóveis ligeiros - tem vindo a cair obtendo em Maio um valor de -6.8 enquanto o indicador de confiança dos consumidores está no vermelho mas com tendência para crescer.

A economia está de boa saúde mas não permite euforia nem excesso de confiança. Uma situação que alargou-se também ao mercado das TI.


Indicadores de conjuntura macroeconómica

Inflação

3.10%

Abril 1997. Média anual sem rendas de habitação.

Taxa de Desemprego

7,3%

% da população activa. 1º Trimestre de 1997

Indicadores de Consumo

Vendas de automóveis ligeiros

-6.8

Maio 1997

Vendas do comércio a retalho

5.4

Janeiro 1997

Indicador de Confiança dos consumidores

-23

Dez 1996

Produção industrial

Total

0.6

Março 97

Indústria Transformadora

4.1

Março 97

Fontes: INE, Banco de Portugal, ACAP


 Painel de Empresas:

BULL - CISCO - DATA GENERAL - DIGITAL - EDS - EPSON - IBM - INFORMIX - INTERGRAPH - LUSOCRESA - METHODUS - NOVABASE - NOVELL - ORACLE - SAP - SILICON GRAPHICS - SINFIC - SOLSUNI - SUN - S3 - UNISYS - LOTUS


Metodologia

O Barómetro destina-se a medir mensalmente o estado da procura global do mercado. A medição será sobre dados qualitativos e incidirá sobre um painel de empresas.

A construção do Barómetro tem a seguinte metodologia:

  • Inquérito mensal por via postal/fax
  • Perguntas com respostas de opção e fechadas
  • Será utilizado o SRE (saldo de respostas extremas) para cada um dos índices parciais. A fórmula é a seguinte:

SRE = nº respostas «aumentou» - nº respostas «diminuiu»

  • A cada uma das respostas de cada empresa será submetido um ponderador para cada um dos seguintes segmentos: hardware, software e serviços. Os ponderados variam entre 1 e 5 consoante a dimensão da empresa e o seu modelo de negócio.
  • O índice agregado de procura é obtido através da média ponderada de cada um dos indicadores parciais. Possui os seguintes ponderadores:

Hardware: 0.45

Software: 0.30

Serviços: 0.25

Voltar